“Sou anti-PT. Onde tem gestão do partido é terra arrasada”, diz Furlan

ScreenShot478
Prefeito de Barueri reforçou apoio a Doria e, para presidente, se posicionou contra o PT logo após votar na FIEB (Foto: Tom Viera Freitas/Arquivo/Agência Impacto)

Como faz em todas as eleições, o prefeito Rubens Furlan (PSDB) chegou à Fieb Maria Theodora, em Alphaville, para votar, neste domingo (7), acompanhado da esposa, Sônia Furlan, neto e filhos, entre eles a deputada Bruna Furlan (PSDB), que conquistou o terceiro mandato nas urnas, com 126.847 votos. Ele falou à reportagem do Jornal da Cidade sobre a expectativa em relação ao resultado das urnas e quem apoia em um eventual segundo turno à presidência. "Eu sou anti-PT. Se o partido voltar ao poder, toda essa corja de gente ruim do partido, volta".

Essas eleições mostram uma polarização grande entre duas propostas muito diferentes, com viés de esquerda, com Fernando Haddad (PT) e de Jair Bolsonaro (PSL), à direita. Qual sua avaliação? 

Eu votei com o meu partido, neste primeiro turno. Votei em Geraldo Alckmin, apesar de saber que ele não irá ao segundo. Eles nos jogaram em uma situação difícil, temos dois candidatos de dois extremos. Minha mulher disse, não sou capaz de votar em nenhum dois dois.

Mas, no segundo turno, em que o sr. votaria?

No segundo turno, eu faço qualquer coisa para evitar o PT, porque não sei do Jair Bolsonaro, mas do time do time do PT, eu sei. Não pense que quem vai governar o país se o Haddad ganhar. Ele é até um bom moço bom, mas quem vai mandar nele é o Lula, o Zé Dirceu e a cambada dele. Eles destruíram o país. 

O senhor é anti-PT?

Sim. Eu estava certo quando disse que Barueri foi bem e se desenvolveu porque nunca teve um prefeito do PT. Tivemos uma vez um vereador, que não fez diferença, porque conseguimos abafá-lo. Onde tem PT é terra arrasada, e se eles voltarem, uma corja de gente ruim e vagabunda do PT vai voltar ao poder. Só que agora, eles não vão mais saquear a Petrobras, vão tirar do restante das empresas que o Brasil tem, saquear de forma geral. Para mim, o partido é sinônimo de gente que jogou o país na lama.

E quanto ao presidente Michel Temer?

Não dá para culpar o Michel Temer de tudo porque ele está há 1 ano e meio lá e ninguém destrói um país nesse período, precisa de todos esses mandatos, dois do Lula e mais um e meio da Dilma para fazer esse estrago. Se o PT ganhar vai ser como formiga no bolo, vão todos para lá (Brasília). E se isso acontecer, no ano que vem, vamos estar amaldiçoando a política, estaremos na mesma situação. Eu peço pra Deus nos ajudar, para escolher um presidente que não atrapalhe o nosso país.

A deputada federal Bruna Furlan (PSDB) conquistou seu terceiro mandato, como o sr. avalia o resultado? 

Eu vi uma pesquisa do IBOPE, pouco antes da eleição, onde ela aparecia em nono lugar entre os mais votados do Estado. Ela é a primeira do PSDB e está na coligação. Bruna foi corajosa e votou pelo Brasil em questões polêmicas. Eu dei minha opinião sobre isso a ela, que me consultou. Seria muito pior afastar o Michel Temer (MDB) naquele momento, eram necessárias reformas. Tenho 42 anos de política, e digo que ela fez a coisa certa. Naquele momento, era pensar em algo maior, na estabilidade do País. Bruna foi eleita com 126.847 votos.

Qual sua expectativa com relação ao próximo presidente? 

Eu não acredito no presidente que será eleito, acredito no Brasil.

Veja mais notícias sobre OpiniãoPolíticaEleições.

Veja também: